Tuesday, November 28, 2006

TRISTEZA

Falo-me em versos tristes,
Entrego-me em versos cheios
De névoa e de luar;
E esses meus versos tristes
São ténues, céleres veios
Que esse vago luar
Se deixa pratear.

Sou alma em tristes cantos,
Tão tristes como as águas
Que uma castelã vê
Perderem-se em recantos
Que ela, em soslaio, de pé
No seu castelo de prantos
Perenemente vê...
Assim as minhas mágoas não domo
Cantam-me não sei como
E eu canto-as não sei porquê.

6-7-1910
Fernando Pessoa

3 Comments:

Blogger mfc said...

Vive-se...simplesmente vive-se!
Sem sentido... que é esse o sentido da vida!

3:57 PM  
Blogger Jinx said...

sem sentido, ou sem objectivo?
nunca poderemos esquecer um passado seja feito de momentos felizes ou mágoas...

3:15 PM  
Blogger SMM said...

Lindo teu blog! Se puder visite o meu, http://sindromemm.blogspot.com
Valeu!

4:53 AM  

Post a Comment

<< Home