Thursday, December 21, 2006

Gota de Água

Eu, quando choro,
não choro eu.
Chora aquilo que nos homens
em todo o tempo sofreu.
As lágrimas são minhas
Mas o choro não é meu.

António Gedeão

Thursday, December 07, 2006

Nao sei se isto e amor. Procuro o teu olhar,
Se alguma dor me fere, em busca de um abrigo;
E apesar disso, cre! nunca pensei num lar
Onde fosses feliz, e eu feliz contigo.

Por ti nunca chorei nenhum ideal desfeito.
E nunca te escrevi versos romanticos.
Nem depois de acordar te procurei no leito
Como a esposa sensual do Cantico dos Canticos.

Se e amar-te, nao sei. Nao sei se te idealizo
A tua cor sadia, o teu sorriso terno...
Mas sinto-me sorrir de ver esse sorriso
Que me penetra bem, como este sol de Inverno.

Passo contigo a tarde e sempre sem receio
Da luz crepuscular, que enerva, que provoca.
Eu nao demoro o olhar na curva do teu seio
Nem me lembrei jamais de te beijar na boca.

Eu nao sei se e amor. Sera talvez comeco...
Eu nao sei que mudanca a minha alma pressente...
Amor nao sei se o e, mas sei que te estremeco,
Que adoecia talvez de te saber doente.

Camilo Pessanha, Clepsydra e poemas dispersos

Tuesday, December 05, 2006

Com que vida encherei os poucos breves
Dias que me são dados? Será minha
A minha vida ou dada
A outros ou a sombras?

À sombra de nós mesmos quantas vezes
Inconscientes nos sacrificamos,
E um destino cumprimos
Nem nosso nem alheio!


Ricardo Reis